sábado, 8 de dezembro de 2007

TCN: Náutico jogou quase R$ 800 mil pela janela.

Apostando que, com o retorno do time à Série A do Campeonato Brasileiro, não iriam faltar motivos para a torcida lotar os Aflitos a cada partida, a diretoria do Náutico acabou desperdiçando uma "boa grana" com a receita garantida do programa Todos Com a Nota, iniciativa do Governo Estadual. Inicialmente, a cota estabelecida para o clube foi de 10.000 ingressos por jogo, vendidos para o Governo ao preço de R$ 9,00. Percebendo a capacidade limitada de seu estádio e apostando no comparecimento do torcedor que deveria estar disposto a pagar ingressos entre R$ 20 e R$ 25 (Houve variação de preço ao longo da competição), o resultado foi alarmante: quase R$ 800.000,00 deixaram de entrar nos cofres alvirrubros. Para fazermos a conta, basta que se analise a quantidade de ingressos disponibilizados no jogo diante do Vasco: 4.000 para o Todos com a Nota e 9.000 para Arquibancada (para fins comparativos vamos nos deter apenas nesse tipo de público). Se entendermos que poderíamos em todos os jogos diponibilizar 10.000 ingressos do TCN e 3.000 para venda de Arquibancada, chegaremos a seguinte conclusão: 1. Em 19 jogos, apenas 4 (São paulo, Sport, Corinthians e Flamengo) trariam prejuízo para o Náutico, caso o modelo exposto fosse adotado. 2. Em nenhuma das situações descritas o ganho seria muito além da metade do prejuízo observado em cada um dos 15 jogos restantes. 3. Parte do público-alvo que a diretoria provavelmente pretendia atingir, já encontrava-se na condição de sócio do clube, não havendo a necessidade de comprar novo ingresso, ao dobro do preço. 4. Abaixo, um comparativo de como foi o comportamento desse público e como poderia ter sido, caso fosse adotado o modelo sugerido com 10.000 TCN e 3.000 arquibancada. Notem que nas raras oportunidades que o público de arquibancada superou os 3.000, o modelo proposto não ultrapassa essa quantia, permitindo uma real avaliação da capacidade de ganho e do resultado de perda. Clique na figura para ampliar..

3 comentários:

Saulo Náutico Capibaribe disse...

Adethson, do meu ponto de vista uma informação bem importante deve ser levada em consideração: grande parte dos ingressos concedidos pelo TCN estavam sendo comercializados nos arredores do estádio. Enquanto o ingresso custava 25 reais, os ingressos do TCN eram vendidos a 10 reais ou menos...

Assim, não podemos dizer com certeza qual seria o número de pessoas que comprariam ingressos normais caso o CNC optasse por colocar 10.000 no TCN.

Abraço, Saulo.

Adethson Leite disse...

Saulo,

De fato não teríamos como precisar se o público de arquibancada seria exatamente igual ao registrado, mas cabem algumas considerações:

- Nos jogos contra times de grandes torcidas, esse tipo de público não teria direito ao todos com a Nota;

- A receita gerada caso a adesão de 10.000 do TCN fosse aceita, seria de R$ 90.000. Em 13 jogos nos Aflitos, a receita do TCN + Arquibancada não atingiu esse valor;

- O público que migrou para o Todos com a Nota, deixando de pagar os R$ 25, acreditou eu, não sofreria grandes mudanças, até porque na maioria das vezes, sobrou ingresso na mão de cambista, fora a parcela da torcida que jamais iria se dispor a pagar esse valor;

- Muita gente deixou de ir aos estádios porque sabia que o preço seria salgado e dificilmente também reduziria a média de 2.000 torcedores que pagaram, até porque, conforme já citado, boa parte desses 40.0000 presentes, era composto pela torcida adversária.

De toda forma, vale o registro e espero poder contar sempre com a participação questionadora de nosssos internautas. Afinal, não há algo que enriqueça mais esse tipo de trabalho, que não seja o debate.

Muito obrigado e escreva sempre!!!

luzo disse...

o problema é que parte do público que compraria arquibancada, comprou cambistacada do TCN, o ingresso do TCN só serviu como uma arquibancada mais barata, já quem conseguiu a troca foram os cambistas mesmo.