segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Flamengo derruba Timbu nos Aflitos

O Náutico não teve força suficiente para segurar o Flamengo e saiu derrotado dos Aflitos, 2x0. A equipe pernambucana ainda teve uma penalidade desperdiçada por Felipe, no final do jogo. Com o resultado, os alvirrubros caem para a 15ª posição na tabela, mas continuam preservando a vantagem de 3 pontos de distância da Zona de Rebaixamento. As derrotas do Ipatinga, Vasco e Portuguesa, além do empate do Fluminense contra o Goiás no Maracanã, favoreceram os alvirrubros. NÚMEROS DO JOGO O Náutico só conseguiu melhorar o número de finalizações a partir do segundo tempo, tendo sofrido pressão adversária na etapa inicial da partida. No geral finalizou 23 vezes contra 18 do adversário. Foram 8 finalizações no gol para a equipe alvirrubra contra 7 do Flamengo. O Timbu teve certa facilidade de avançar os alas com jogadas de linha de fundo, onde por 16 vezes conseguiu explorar os flancos adversários. Já os rubro-negros conseguiram chegar por 10 vezes. O Náutico voltou a insistir nas jogadas áreas, em grande parte improdutivas, alçando 27 vezes a bola na área, sem obter grandes resultados. Dono das ações do segundo tempo, o Náutico terminou equilibrando a posse de bola com exatos 50%, alugando o meio-campo em 40% desse tempo. Já para o Flamengo houve distribuição equilibradas das zonas de atuação, tendo 37% de predominância no meio. A eficiência de passe do Náutico ficou em 87%, acertando 228 dos 262 passes executados. O Flamengo teve aproveitamento menor com 217 passes certos em 259, 84%. Confiram o Scout do jogo:

6 comentários:

Roberto Corrêa disse...

Olá pessoal do Blog dos Números> Embora o assunto ainda seja o Campeonato Nacional, gostaria de discutir aqui com vocês, uma idéia que a meu ver poderá motivar muito o próximo pernambucano. Refiro-me ao atual sistema de contagem de pontos. O sistema atual foi introduzido à partir da Copa de 94 por sugestão dos americanos. Não é que o sistema atual seja ruim, mas no meu ponto de vista ele é incompleto e até certo ponto de vista injusto. Vejam o jogo Náutico 1 X 1 Grêmio. O timbú ganhava o jogo ( e consequentemente os 3 pontos até aos 49 do segundo tempo, e por causa de uma bobeira faturou apenas1. Minha sugestão: em caso de empate, se for com gols, o time que marcasse primeiro ganharia 2 pontos, e o outro apenas 1; se o empate fôsse de 0 X 0, uma disputa de penalties indicaria o time que faturaria o ponto extra. Quais as vantagem desse sistema: primeira: todas as partidas teriam o mesmo valor: 3 pontos, ao contrário do atual, quando podem valer 2 ou 3 pontos; (Continua)

Anônimo disse...

segunda: o torcedor teria certeza absoluta que em todos os jogos veria a rede balançar; terceira: vejam um comparativo do sistema atual com o meu relativo ao número de combinações possíveis: para 1 jogo: sistema atual: 3 combinações; meu sistema: 4 combinações; para 2 jogos: 9 no atual e 16 no meu; 3 jogos: 27 e 64; 4 jogos: 81 e 256; 5 jogos: 243 e 1.024. Perceberam? Com esse novo sistema haveria mais emoção (Continua no próximo)

Roberto Corrêa disse...

(Continuação) - por um equívoco de digitação meu nome saiu como anônimo. Vamos agora ao lado prático da coisa: claro que toda mudança é sempre cercada por opiniões pessimistas, além do mais o atual sistema é universal. Mas vejam bem: nem tudo que é universal é rigorosamente correto. Vejam um exemplo: o atual calendário por nós usado que é praticamente universal, possui uma defazagem de 5 anos, pois Cristo nasceu no ano 5 a. C e não no ano 0.Assim o ano atual seria 2.013 e não 2008 (fonte: revista Galileu- Setembro - Editora Globo)Ta aí a idéia. Gostaria que voces comentassem

Anônimo disse...

Continuando meu comentário: vejam um grave inconveniente do sistema atual: em 1.995 classificaram-se para o quadrangular final de acesso à primeira divisão: Central (meu time), Mogi Mirim, Coritiba e Atlético PR. Segundo o presidente do Mogi Mirim na época, Coritiba e Atlético PR, se reuniram com o objetivo de subirerm juntos (o que de fato aconmteceu) e combinaram que cada um venceria uma partida, para evitar perda de pontos, pois para cada empate, o grupo perderia 1 ponto. Em 2005, o Grêmio que disputava o quadrangular final com Portuguesa, Náutico e Santa Cruz chegou a insinuar que os clubes pernambucanos também poderiam fazer o mesmo, só quenaquela ocasião o Santa ganhou as duas. Bom, verdade ou não o que foi dito acima, tudo isso decorre do fato de que pelo sistema atual, as partidas não têm a mesma pontuação, o que no meu entendimento é um erro muito grave.

Roberto Corrêa disse...

Mais uma vez, por erro de digitação meu comentário saiu como anônimo Ass) Roberto Corrêa

Roberto Corrêa disse...

Já imaginaram se meu sistema estivesse em vigor no Nacional, as emoções seriam muito maiores, tanto na parte de cima da tabela, onde 5 clubes brigam pelo título, como na de baixo, onde a briga para não cair envolve 11 clubes. Quem sabe a gente não pode convencer até mesmo a própria FIFA a alterar o sistema? Ass) Roberto COrrêa